Lobotomia e outras “terapias psiquiátricas” – a “evolução” da “ciência”

Lobotomy – PBS documentary on Walter Freeman – YouTube.

Como o próprio psiquiatra disse no vídeo: “não houve um único dos seus pacientes que melhorasse, e alguns deixaram de ser quem eram.” Apesar disso, pelo menos 15.000 destas “operações” foram feitas, só em Inglaterra !!!!!!!!!!!!!!!
Um dos interlocutores do vídeo, é uma jovem que se sente descontente com a vida, e que, pedindo para falar com um psiquiatra, é internada num hospital durante cinco anos, no fundo, usada para experiências. Muitas pessoas ficaram prisioneiras toda a vida ou períodos muito mais prolongados.

Tanto a lobotomia (?) como electro-choquese,  e os químicos que se usam hoje em dia na psiquiatria, para “alterar o desequilíbrio do cérebro”, a milhares de pessoas nem sequer psicóticas, sobretudo já havendo psiquiatras e outros a condenar esses “tratamentos”, não passaram, e não passam de experiências “científicas”  sobre humanos, feitas com uma tal barbaridade e desumanidade, que ultrapassa a desumanidade dos acusados de serem o protótipo da desumanidade.

No que é verdade das acusações feitas à Inquisição, também grande parte dos inquisidores tinham os seus, para si próprios “bons e honestos” motivos. Não inferiores à massa de inconscientes que presentemente faz barbaridades, não por convicções religiosas erradamente aplicadas, mas sim porque são igualmente escravos da perversão pseudo-religiosa, que é a da “(pseudo)-ciência”, da economia e do lucro.

Quando vamos reconhecer a necessidade de procurar intensamente a origem do mal, que leva a massa dos humanos a comportarem-se como horripilantes e insensíveis bestas, sempre inocentes, sempre sem darem por isso?
Quando vamos ver a inutilidade e armadilha que é, acusar uns poucos de políticos dos males que nos assolam?
Quando temos vergonha?

Neste preciso momento, passam-se outros males ainda mais graves do que alguém que te agarra e te tira o cérebro, saúde, autonomia humana, e invade o teu corpo e consciência com corpos estranhos.
O que fazemos?
Isso é que importa. E só nesse sentido é útil falar dos males passados, estudá-los, meditá-los.

Assim como neste caso, há uma razão inicialmente boa, como era a difícil missão de lidar com doentes mentais, e descobrir tratamentos, missão que imediatamente resvala para uma desgraça de abuso de populações inteiras, também na nossa era se repete o mesmo padrão a respeito dos mais variados fenómenos.
Quando ganhamos horror a tudo isto, sabendo que somos nós os autores destes actos, declarando-nos irresponsáveis pelas causas e consequências?

Early Treatment of Mental Disorders – YouTube

Danvers State Hospital Retelling – YouTube

Mental : A History of the Mad House (PART 1) – YouTube
Mental : A History of the Mad House (PART 3) – YouTube

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s